Deficit de Atenção e Hiperatividade

TDAH/DDA

O TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) é um transtorno neurobiológico, que tem início na infância comprometendo o funcionamento da pessoa em vários setores de sua vida, e se caracteriza por três grupos de alterações: hiperatividade, impulsividade e desatenção.

O TDAH/DDA aparece na infância, antes dos 12 anos de idade, e, em mais de 70% dos casos, acompanha o indivíduo por toda a sua vida, causando grandes prejuízos. Pacientes com TDAH tem um risco muito maior de apresentarem outros quadros neuro-psiquiátricos como Tr. de Ansiedade, Tr. Depressivo e Dependência de álcool e drogas caso não sejam tratados precocemente.

Características do TDAH/DDA 

De uma forma geral, as pessoas com TDAH/DDA são inteligentes, muito criativas e intuitivas, mas sentem que não conseguem atingir todo seu potencial. Tem dificuldade em assistir uma palestra, ler um livro, sem que sua cabeça “voe”, num turbilhão de pensamentos. Acaba iniciando várias atividades simultaneamente, ficando com vários projetos e tarefas por terminar, culpando-se e preocupando com muitos pensamentos do tipo “tenho que fazer”.

Seus pensamentos costumam ser desorganizados, refletindo nas suas coisas pessoais como mesa, gavetas, papéis, prazos e horários.

Apesar de toda inteligência e criatividade, essas características desatentas e impulsivas, muitas vezes fazem com que os portadores de TDAH/DDA, sejam taxados, ao longo de suas vidas, como preguiçosos, desleixados, incompetentes e mal-educados. Esse histórico pessoal, juntamente com a auto-cobrança que essas pessoas normalmente têm, pode levar a prejuízos muito grandes na sua autoestima e nos seus relacionamentos.

“TOMAR CUIDADO EM NÃO CONFUNDIR COM QUADRO DE ANSIEDADE”

Sintomas e sub-tipos de TDAH/DDA

O TDAH/DDA, acomete 3 esferas principais de sintomas: Desatenção, Hiperatividade e Impulsividade.

Subtipo Desatento

  • Desvia facilmente a atenção do que está fazendo e comete erros por prestar pouca atenção a detalhes. Muitas vezes distrai-se com seus próprios devaneios ou então um simples estímulo externo o tira do que está fazendo.
  • Dificuldade de concentração em palestras, aulas, leitura de livros… (dificilmente termina um livro a não ser que o interesse muito).
  • Às vezes capta apenas partes do assunto, outras, enquanto “ouve” já está pensando em outra coisa e interrompe a fala do outro.
  • Relutância em iniciar tarefas que exijam longo esforço mental.
  • Dificuldade em seguir instruções, em iniciar, completar e só então, mudar de tarefa (muitas vezes é visto como irresponsável).
  • Dificuldade em organizar-se com objetos (mesa, gavetas, arquivos, papéis…) e com o planejamento do tempo.
  • Problemas de memória a curto prazo: perde ou esquece objetos, nomes, prazos, datas…
  • Durante uma fala, pode ocorrer um “branco” e a pessoa esquecer o que ia dizer.

Subtipo Hiperativo/Impulsivo

  • Inquietação: mexe as mãos e/ou os pés quando sentado, musculatura tensa, com dificuldade em ficar parado num lugar por muito tempo.
  • “Faz várias coisas ao mesmo tempo, está sempre a mil por hora, em busca de novidades e de estímulos fortes, entendia-se muito fácil com atividades da rotina ou burocrática”.
  • Podem sobrecarregar-se no trabalho. Muitos acabam estressados, ansiosos e impacientes, com dificuldade de delegar tarefas e de se colocar limites.
  • Tendência a comportamentos compulsivos, que geram muito prazer em pouco tempo, como álcool, drogas, jogos, Internet e salas de bate papo.
  • A dificuldade de controlar impulsos pode fazer com que interrompa a fala dos outros, podendo fazer com que responda perguntas antes mesmo de serem concluídas.
  • Baixo nível de tolerância a frustrações e erros, tantos seus como dos outros.
  • Dificuldade para esperar: sofre muito em filas, telefonemas, atendimento em lojas e restaurantes.
  • Dificuldade em seguir regras ou normas pré-estabelecidas.
  • Rompe com certa facilidade relacionamentos de trabalho, sociais e/ou afetivos.
  • Pode mudar inesperadamente de planos e metas.

Diagnóstico

O diagnóstico para TDAH /DDA é clínico, feito por médico especialista em TDAH. Esse diagnóstico é realizado através da consulta médica, na qual o profissional especialista vai investigar uma série de critérios específicos com o próprio paciente e, em muitos casos, também com seus familiares.

O objetivo é, além de realizar o diagnóstico, determinar o subtipo, a gravidade e o impacto do quadro, bem como traçar a melhor e mais eficaz estratégia de tratamento de forma personalizada.

Os exames solicitados variam conforme cada caso. Em geral, os exames mais pedidos envolvem exames de sangue gerais ( avaliação anemia, alterações hormonais, de vitaminas, bem como avaliação de perfil renal e hepático), neuroimagem ( tomografia ou ressonância de crânio) e eletrocardiograma.

Um teste específico que pode ajudar muito no diagnóstico e na evolução do tratamento é o Teste Neuropsicológico.

Tratamentos atuais para TDAH

O tratamento para do TDAH é divido em duas partes: Medicamentosa e Terapia Cognitivo Comportamental.

As medicações a base de metilfenidato controla bastante os sintomas de desatenção e hiperatividade e, no entanto, a base do funcionamento do paciente não irá mudar com o tratamento medicamentoso, necessitando assim da terapia para ajustar e adaptar as suas características para melhor funcionamento dentre a sociedade.

Dicas para Pais de Crianças com TDAH/DDA – Fonte: Associação Brasileira do Déficit de Atenção

  1. Reforçar o que há de melhor na criança.
  2. Não estabelecer comparações entre os filhos. Cada criança apresenta um comportamento diante da mesma situação.
  3. Procurar conversar sempre com a criança sobre como está se sentindo.
  4. Aprender a controlar a própria impaciência.
  5. Estabeleça regras e limites dentro de casa, mas tenha atenção para obedecer-lhes também.
  6. Não esperar ‘’perfeição’’.
  7. Não cobre resultados, cobre empenho.
  8. Elogie! Não se esqueça de elogiar! O estímulo nunca é demais. A criança precisa ver que seus esforços em vencer a desatenção, controlar a ansiedade e manter o ‘’motorzinho de 220 volts’’ em baixas rotações está sendo reconhecido.
  9. Manter limites claros e consistentes, relembrando-os frequentemente.
  10. Use português claro e direto, de preferência falando de frente e olhando nos olhos.
  11. Não exigir mais do que a criança pode dar: deve-se considerar a sua idade.

Dicas para Adultos com TDAH/DDA – Fonte: Associação Brasileira do Déficit de Atenção

  • Crie espaço – Verifique diariamente o que você usará e o que deverá ficar guardado. Defina lugares para chaves, contas e outros itens que se perdem facilmente. E jogue fora tudo o que não for necessário!
  • Use uma agenda – O uso da agenda ajuda a lidar e organizar os seus horários e compromissos.
  • Faça listas – Crie o hábito de fazer listas e anotar tudo o que for importante, como tarefas, compromissos, projetos, deadlines, etc. Caso esteja usando uma agenda, mantenha suas anotações junto. O planejamento é condição necessária para o bom desempenho das pessoas com TDAH.
  • Faça agora! – Para evitar o esquecimento, procrastinação e desordem, comuns em adultos com TDAH, faça o que tiver que ser feito na hora, evitando deixar ‘’para depois’’.
  • Use um relógio – Pode ser de pulso, timer, alarme, celular ou do computador – desde que esteja sempre à vista e com o horário certo. Quando começar uma tarefa, diga em voz alta ou anote o horário, alem de definir uma quantidade de tempo para a mesma.
  • Defina prioridades – Defina as suas tarefas mais importantes do dia e depois as com menor importância.
  • Crie uma curta rotina diária – e defina um tempo para ela. Dessa maneira, você não se esquecerá de fazer nada importante e conseguirá realizar todas as suas tarefas.
  • Dê mais tempo do que você julgar necessário – Por exemplo, se você acha que para realizar determinada tarefa, ou encontrar alguém em outro lugar, você levará por volta de 30 minutos, adicione mais 15 minutos.
  • Faça uma tarefa de cada vez – Execute seus compromissos um de cada vez. Caso seja um grande projeto, divida-o em pequenas partes e termine-os um de cada vez.
  • Aprenda a dizer não – A impulsividade no adulto com TDAH pode fazer com que ele aceite executar muitos projetos ou compromissos de uma só vez sem uma avaliação prévia e ponderada das suas capacidades e, consequentemente, não consiga finalizar nenhum. Verifique sempre a sua agenda para ver se você realmente pode aceitar um compromisso, tarefa ou trabalho extra, de maneira que isso não o prejudique.