Burn Out

O mercado de trabalho não pára, exige o máximo do empregado o tempo inteiro, e se esse não der conta, tem um próximo que aguente por mais um período. 

Esqueceram que somos seres humanos, esqueceram que temos vida fora do trabalho, esqueceram que temos sentimentos, pontos fracos, assim como pontos fortes. 

Não trabalhamos constantemente na máxima capacidade, isso é ser super-humano, ou melhor, é ser desumano. 

Conseguimos trabalhar com 80% da capacidade, as vezes mais, as vezes menos. 

Brigamos com a esposa, marido e diminuímos o rendimento. Recebemos elogios do chefe e melhoramos o rendimento e assim a vida continuaria… continuaria se não exigissem 100% da nossa capacidade constantemente. 

O pior é o funcionário achar que é incompetente por não conseguir manter essa meta desumana. 

Quantos já não vieram no meu consultório pedindo medicação para melhorar a concentração e a sonolência que sente durante o dia devido noites não dormidas.

O final é sempre o mesmo. 

BURN OUT!!!

O mercado de trabalho mais uma vez sugou tudo o que pôde do empregado. 

Enquanto isso, o funcionário esqueceu em como respirar, em como raciocinar, em como descansar, em como ter prazer… virou um completo zumbi sem alma, esgotado mentalmente e fisicamente. E desempregado. 

Não somos robôs. 

Não somos super-homem. 

Somos seres humanos. 

Dr. Thomas Katsuo Ito